TEMPORADA CARIOCA: 1˚ a 24 de Novembro no Espaço Sesc – sexta e sábado às 20h e domingo às 20h

Uncategorized

Imagem

Bate-bola com Bel Kowarick no Segundo Caderno do Globo

Bate-bola com Bel Kowarick no Segundo Caderno do Globo

Anúncios

Imagem

Reestreia dia 07 de fevereiro no Teatro Eva Herz

Reestreia dia 07 de fevereiro no Teatro Eva Herz


Imagem

ESTREIA 07 DE FEVEREIRO NO TEATRO EVA HERZ

ESTREIA 07 DE FEVEREIRO NO TEATRO EVA HERZ


cenas e bastidores por Lenise Pinheiro

Veja cenas e bastidores de “Dueto Para Um”

por Lenise Pinheiro

Em cartaz no Tucarena

entretenimento.uol.com.br/album/lenisepinheiro

  

leia entrevista no GUIA CULTURA SP

Bel Kowarick fez aulas de ioga e violino para “Dueto para Um”

Fabiana Seragusa

A violinista que começa “Dueto para Um” não é a mesma que termina. E, para conseguir transformar a inabalável Stephanie em uma mulher que tenta lidar com as limitações cruéis da esclerose múltipla, a atriz Bel Kowarick precisou se entregar totalmente ao trabalho.

Divulgação

Bel Kowarick (foto) conta que fez aulas de ioga e violino para interpretar "Dueto para Um", em cartaz no Sesc Consolação

Bel Kowarick (foto) conta que fez aulas de ioga e violino para interpretar “Dueto para Um”

“Fiquei absolutamente concentrada e obcecada por ela”, conta ao Guia. A história é baseada na vida da violoncelista inglesa Jacqueline du Pré, que ficou incapacitada de tocar devido à paralisia e morreu em 1988.

Na montagem, dirigida por Mika Lins, Bel divide o palco com Marcos Suchara (intérprete do psiquiatra dr. Feldman), com quem trava diálogos irônicos e tensos.

O jogo de luzes (feito por Caetano Vilela) e a movimentação do palco mostram que há várias maneiras de enxergar cada situação, assim como a musicista “baixa a guarda” após várias sessões de terapia. “Fizemos um trabalho rigoroso de entendimento do texto, de cada palavra e de cada pausa”, conta Bel.

A peça fica em cartaz até 1º de outubro no Sesc Consolação (centro de São Paulo), e os ingressos estão esgotados até o início de que a atriz diz sobre a preparação da personagem e o impacto da peça:

*

Guia Folha – Como foi a preparação?
Bel Kowarick – Como ela [a personagem] é uma mulher com problemas físicos, tive que ter uma preparação corporal intensa, como treinamento de ioga. Frequentei centros de habilitação de pacientes com esclerose múltipla e conversei com médicos e fisioterapeutas, além de ver muitas entrevistas de pessoas com a doença. Também tive aulas de violino, o suficiente pra perceber que é algo extremamente difícil. A música foi a minha preparação. O tempo todo, durante a peça, eu tenho alguma música tocando dentro de mim, que me dá o ritmo físico da cena.

Guia – Você já fez ou faz terapia? Acha importante?
Bel – Já fiz e acho importante. Para quem vive uma experiência de perda e violência, é imprescindível. E, para qualquer pessoa que tente se conhecer melhor, também é uma experiência muito rica. Acho que torna a vida mais interessante. É muito difícil saber quem somos e termos coragem de sermos nós mesmo, e a terapia ajuda nesta empreitada.

Guia – Você acha que o público sai da peça dando mais valor à vida?
Bel – Sim, acho que sim, as pessoas saem dando mais valor às coisas e são tocadas de diferentes formas. Eu me interesso muito pela relação profunda que essa mulher [personagem] tem com o ofício. Acredito que através das experiências que temos com livros, filmes, músicas e peças entendemos melhor quem é o homem e para que estamos aqui.

LEIA NA INTEGRA –  http://guia1.uol.com.br/guia/teatro/drama/773120/dueto_para_um